Lista Básica

  Fontes de Ar

  Aerógrafo

  Betume

  Escalímetro

  Granalha de Aço

  Lixas

  Colas

  Giz Pastel

  Lâminas

  Serrinha

  Massa Putty

  Máscaras de Pintura

  Pincéis

  Cópias em Resina

  Moldes Complexos

  Vitrine

  Tintas

  Photo-Etched

 << Voltar
Máscaras de Pintura

Define-se por mascaramento a cobertura de uma determinada área que não possa ou não se deseja pintar. Usar máscaras não indica que o modelista é ruim ou tem dificuldade com pintura. Todos devem usar, mesmo os modelistas que preferem pincel ao aerógrafo. Uma boa máscara precisa ter três boas características: Ser barata (!!!), selar bem na borda (onde realmente separa uma cor da outra), e uma cola que seja fraca o suficiente para não arrancar ou estragar a pintura anterior.

Normalmente, existem dois tipos de máscaras: A líquida e sólida. As máscaras líquidas são aquelas que como o nome diz, utilizam um veículo aquoso/leitoso para sua aplicação, conhecidas como Maskol. As máscaras sólidas são representadas por uma extensa gama de materiais, indo da Masking Tape (fabricada pela Tamiya) até a massinha adesiva TAK, fabricada pelas colas Pritt (aquela cola em bastão). A aplicação principal do mascaramento elaboração de camuflagens para modelos em militaria e aviação, mas também serve para proteger e determinar a divisão de cores em painéis, pinturas convencionais e outros. Algumas considerações sobre as várias opções existentes:

  • Maskol: Fabricada pela Humbrol. Ela também tem um similar nacional que é a máscara líquida para tinta guache da ACRILEX. A aplicação é bastante simples e rápida, basta pincelar a área a ser protegida e esperar secar. Sua composição tipo latex, cria uma camada impermeável, que pretege a tinta. Para tirar, basta usar um alfinete e puxar com cuidado. Sua cola é praticamente nula, podendo ser inclusive aplicada sobre decais. Para saber quando usar maskol, pense na seguinte máxima "É mais difícil mascarar do que pintar?" Se a resposta for sim, então o maskol é recomendado. Um dos problemas é o preço. Um vidro desse material custa entre R$ 20,00 e R$ 30,00. Outro problema é que um dos componentes é a amônia, o que pode atacar tintas acrílicas.
  • Mascara Tamiya

  • Masking Tape: Essa, sem dúvida, é a campeã de uso entre os modelistas, senão a mais conhecida. Possui um adesivo fraco que não arranca a tinta da camada inferior, mas é firme o suficiente para que proteja a pintura. Corta facilmente em curvas e desenhos angulosos, sendo bem aceita para fuselagens de aviões e veículos militares. Protege muito bem o vidro do canopi durante a pintura do modelo. A única objeção é o seu preço, que costuma variar perto da casa dos R$ 20,00. Ela é vendida em três larguras (6,10 e 18mm). Uma técnica para aproveitá-la melhor é comprar da medida mais larga e dividí-la ao meio com uma lâmina, dobrando seu uso.

  • Opalux: É um filme relativamente grosso, vendido em lojas de aerografia, maquetes (e até algumas lojas de tintas), vendido à metro, também chamado de Aplique. É muito barato (cerca de R$ 3,00 o metro). Possui uma cola bastante fraca, menos que a própria fita Tamiya. Uma dificuldade é que sendo grosso e com pouca cola, é difícil de moldar em partes arredondadas.

  • Frisket Film: Como o nome sugere, é uma espécie de filme translúcido, geralmente azulado, que pode ser comprado a metro e tem a vantagem de ser reaproveitável, podendo voltar ao seu papel depois do uso. Entretanto é muito difícil de encontrar e o seu preço se aproxima da fita tamiya.

    Frisket Film

  • Fitas Crepe 3M: Muitos modelistas têm utilizado este recurso para o mascaramento. Cabe lembrar que funciona bem com tintas à base de esmalte ou laca. Caso esteja sendo usada tinta acrílica, convém sela a tinta com uma camada levíssima de verniz para reduzir a porosidade da mesma. Também é necessário um cuidado para não arrancar a tinta.

    Fita 218

  • Fita 218 para uso automotivo da 3M: Recentemente lançada no mercado pela 3M é uma fita à base de polietileno flexível, com adesivo fraco, não agressivo para as tintas. Ainda é muito cedo para afirmar que seria uma substituta à altura, embora seja para uso em pintura automotiva para mascarar.

    MATERIAIS ALTERNATIVOS: Aqui vale a criatividade de todos os modelistas que vivem por esse país afora. Vejamos alguns exemplos:

  • Alginato: Material largamente utilizado por dentistas para modelar dentaduras ou determinar o molde da mordida. Tem cheiro de chiclete e segundo opiniões de outros modelistas, ele é impermeável à tinta e flexível como uma borracha após determinado período, podendo ser retirado facilmente;

  • Massa de modelar: Vendidas em papelarias com o nome de Uti Guti ou em lojas especializadas com o nome de Tac (ou Blue-Tac). – Essa massinha para crianças, possui uma propriedade que é ser feita à base de carboidrato de cereais (amido) e não possui ceras em sua composição. Não mancha como a massinha de modelar comum. É importante, na hora de comprar, verificar se a mesma não possui cera em sua composição. A cera mancha a tinta. A vantagem desse material é que ele cria uma pequena cunha entre o plástico e a massa. Quando pinta-se com o aerógrafo, cria um pequeno degradê, ideal para camulfagens redondas.

  • Fita Veda-Rosca: Embora necessite um tempo de aprendizado, pois dobra-se facilmente é muito boa quando não se quer esperar a tinta curar para aplicar outra camada de camuflagem. Além disso, pode ser utilizada para isolar cockpits e trens de pouso.

    Veda-Rosca: Canopi Veda-Rosca: Cockpit

    CONSIDERAÇÕES FINAIS:

    As máscaras são feitas para separar duas cores. Existem dois tipos de separação. Aquela altamente definida e a difusa. Um carro com duas cores tem separação bem definida. Já uma camuflagem tem um degradê mínimo entre as duas cores. A maioria das máscaras não permite separação difusa (exceto a massa). Muitos modelistas preferem usar papel (sem cola, para camuflar). A pequena fresta levantada pelo aerógrafo faz esse degradê.

    Mesmo que algumas máscaras tenham pouca cola, é preciso cuidado com tintas metálicas. A maioria das máscaras tira a luminosidade que existe na tinta (sem tirar a tinta propriamente). Normalmente o Maskol é o mais indicado nesses casos. Também vale tentar tirar o excesso de cola da fita usando um pano (a própria calça), para evitar isso e o risco de arrancar a tinta.

    Como você viu nem todas as opções são baratas. Não use todo o material para mascarar o modelo, pois assim, você desperdiça dinheiro. O importante, como dito é que a selagem seja boa na borda. Você pode selar o restante do modelo com papel comum (rascunho) e usar máscara apenas na borda. É uma maneira bastante eficiente de economizar.

    Texto:

    Colaborações:


    Eventos | Fórum | Eu Quero! | Mercado de Pulgas | Galeria
    Variedades | Como Construir | Dicas | Ferramentas
    Lojas no Brasil | Administrativo | Livros | Links

    Melhor visualizado em resolução 1024x768
  • Eventos Agendados
    Outubro
    S T Q Q S S D
        1 2 3 4 5
    6 7 8 9 10 11 12
    13 14 15 16 17 1819
    20 21 22 23 24 25 26
    27 28 29 30 31    

    Novembro
    S T Q Q S S D
              12
    3 4 5 6 7 89
    10 11 12 13 14 1516
    17 18 19 20 21 22 23
    24 25 26 27 28 29 30